Sair de Noronha

30 12 2010

Voltei… mas ainda não cheguei por completo…

Lucas De Nardi

Anúncios




Ao chegar em casa…

14 12 2010

Acabei de botar os pés em casa
E aqui tem uma Lua linda na janela.

1Menino.Só





Meu desejo…

10 12 2010

Tudo que eu desejo de uma mulher, não é mil promessas de fidelidade, nem mantê-la encerrada, eternamente, sob o meu julgo. Tudo o que desejo de uma mulher é algo silencioso, cujo valor é atemporal e inestimável. Eu desejo dela apenas sua intimidade.
Uma mulher, ao longo da vida, talvez entregue seus beijos, seu corpo, sua paixão a vários homens. Porém, as suas íntimas vontades, seus desejos mais lascivos, sua sensualidade reprimida, sua doce suavidade, seu suor mais puro serão presenteados a poucos ou, em alguns casos,  à somente um. E é este homem que desejo ser.
Porque eu já sei que nenhuma mulher será perfeita, e por isso lhe entregarei meu olhar mais perfeito. Reconhecerei em momentos à sós, pelos seus defeitos e acertos, a beleza de vê-la livre de máscaras e amarras. E é isso o que me importa. É por isso que eu vivo, e através disso eu amo.
Não lhe prometerei o mundo das coisas dos homens, nem pedirei sua vida de esposa obediente. Não serei o herói idealizado pelo tempo, nem o homem que lhe vira as costas quando tudo queima ao redor. Porém, quero conhecer o que faz vibrar sua alma de mulher.
Desejo que ela me mostre suas fragilidades, para que eu as fortaleça, e seus medos, para que eu os sane. Mas serei também admirador de sua força, degustador de sua doçura, amante de sua complexidade.
Quero olhá-la fundo nos olhos e saber precisamente o que ela deseja, como o poeta quando descobre a palavra necessária. Quero vê-la deitar em minha cama e reconhecer seus movimentos, como uma peça cuja cena eu decorei. Quero tocar sua pele como ando pelo Mundo, e sentir-me em casa.
Quero da mulher o universo reservado que se abre quando as portas se fecham e os olhos dos amantes se encontram… e brilham…

Homem de (-)





A Trégua, Mario Benedetti

8 12 2010

Segunda-feira, 3 de fevereiro

Ela me dava a mão e então nada mais faltava. Bastava para que eu me sentisse bem acolhido. Mais que beijá-la, mais que dormirmos juntos, mais que qualquer outra coisa, ela me dava a mão e isso era amor.