Mas afinal, os surfistas meditam?

29 03 2010

O tubo é um momento de concentração total.

Para responder a essa pergunta é necessário entender o que é a meditação e em qual momento o surfista poderia, surfando uma porção dinâmica do oceano, com cores, movimento e som ao seu redor, atingir tal objetivo.

A meditação ou dhyána, em sânscrito, é uma técnica do acervo do Yôga utilizada para designar tanto o exercício de meditação, quanto o estado de consciência obtido com essa ferramenta. O exercício em si é bastante simples: consiste em concentrar-se e não pensar em nada, não analisar o objeto da concentração, mas simplesmente pousar a mente nele até que ela se infiltre no objeto, conforme ensina o renomado escritor DeRose no livro Tratado de Yôga. Assim, estaríamos aptos a perceber a essência do objeto observado e, com o tempo de prática, a essência de nós mesmos, alcançando o autoconhecimento. Segundo os Shástras, escrituras antigas que expõem diversas técnicas e conceitos sobre o tema, quando o observador, o objeto observado e o ato da observação se fundem numa só coisa, isso é meditação. Outro fator importante, e que se torna um grande diferencial sobre este estado interno, é a noção do tempo quando estamos meditando. Por ser uma percepção emocional, a sensação do lapso temporal pode ser distorcida para mais ou para menos. Quem já não viu uma situação passar num piscar de olhos quando na verdade se passaram diversas horas? No caso do meditante, tem-se uma vivência tão profunda do presente que um mero segundo parece durar horas.

Mas afinal, como o surf, que é um esporte de constante movimento corporal, emocional e mental, pode nos levar a esse estado de aumento da consciência?

Bem, neste esporte existe uma manobra que é almejada por todos os praticantes dessa verdadeira arte de se colocar em pé sobre o oceano. Por não ser efetivamente uma manobra, mas um estado dentro da onda, o tubo se torna um momento indescritivelmente prazeroso. Ele acontece quando estamos envolvidos pela água e nos sentimos plenamente amalgamados com as forças da natureza.

Shaun Thompson, conhecido surfista sul-africano e campeão mundial de 1977, descreve maravilhosamente este momento especial: O tubo é a soma de forças complexas se relacionando. No tubo o surfista está equilibrado na beira da destruição em uma face convexa composta por milhares de toneladas de água, que se contorcem até a ondulação sucumbir para a hidrodinâmica, a força de gravidade e a mudança gradual no contorno da bancada. No tubo, a onda é lançada para frente, jogando sua crista até que o surfista fique completamente imerso numa cápsula de água, um lugar de isolamento e silêncio onde o tempo passa mais lentamente, gota por gota. Onde a sensação de velocidade é reduzida e a percepção torna-se mais aguçada.

Pois é justamente nesse instante tão especial que o surfista pode conquistar, ou se aproximar, do estado que os yôgins se esforçam tanto para atingir. Perceba que na descrição de Thompson ele menciona duas informações muito próximas do que a meditação produz: o instante passa mais lentamente e a percepção se torna mais aguçada.

Ora, será que podemos traçar um paralelo entre essas duas vivências que, teoricamente, nada possuem de similaridade, mas que, na prática, parecem produzir um estado interior muito parecido?

Numa entrevista concedida pelo surfista brasileiro Teco Padaratz, ele faz uma analogia muito interessante sobre o tubo e a passagem do tempo. Na descrição dele, enquanto se está dentro da onda, há uma demonstração perfeita de como o tempo passa por nós e de como devemos efetivamente viver o presente, sem distrações ou devaneios. Ele descreve a cena do surfista posicionado dentro daquela pequena capela de água como o momento do aqui e do agora. Tudo aquilo que foi vivenciado dentro do tubo explodiu, virou espuma branca, ficou para trás e é o seu passado. O futuro se encontra na luz que se enxerga ao final desse cilindro de água e representa o nosso objetivo, aquilo que almejamos. Porém, se ao longo do tubo a sua mente se deslocar para a fração de onda já surfada ou se projetar para o seu final e não vivenciar o caminho real que o levará até lá, é bem provável que a onda o derrube e o atire sobre a bancada sob a qual a onda quebra, o que não seria nada agradável. Tudo aquilo que foi vivido não construiu o futuro desejado, pois houve perda de foco, distração.

Essa forma, portanto, de enxergar o tubo e a atitude correta dentro dele nos ensina algo importantíssimo dentro do processo meditativo: concentração. A concentração é o estado que precede a conquista da meditação. Somente através do foco total de nossa mente sobre algo é que iremos conseguir fazê-la parar, numa vivência tão plena do aqui e agora que o tempo se dilata e não há mais pensamento, apenas intuição.

Para corroborar ainda mais com essa hipótese, vejamos o que Kelly Slater, o maior surfista de todos os tempos, disse ao descrever um tubo absolutamente incrível e quase impossível de ser surfado, no Tahiti: “Eu senti a onda e flui com ela. Eu não pensei, foi tudo instinto, sem questionamentos. Meu surf dentro do tubo é uma reação imediata aos elementos, sem pensar no que está realmente acontecendo.”

Quando nos sentamos para meditar, umas das coisas mais importantes a se fazer para que a mente pare é não questionarmos nem analisarmos o objeto ou o som no qual estamos nos concentrando, e é justamente o que Slater menciona ter feito. Ele não questiona, não analisa, não pensa, apenas deixa que a consciência assuma um estado de foco em que a situação toda flui, como se ele conhecesse a essência da onda, como se ele estivesse meditando sobre ela.

Obviamente nem todos os tubos nos levarão a um estado tão profundo de concentração e somente alguns surfistas conseguirão aproximar-se dessa expansão da consciência enquanto estão na onda, mas me parece bem claro que o feelling que eles sentem também é apreciado, e aprofundado, pelos yôgis.

Por fim, existe uma frase no universo do surf que nos diz: only a surfer knows the feeling. Mas, afinal, que feeling é esse? O que o surfista sente que só se conhece surfando? Será esse feeling a meditação? E como saber que se atingiu esse fim? Na verdade, se você não tem certeza, é sinal que não meditou. Porém, mesmo estando certo que o fenômeno ocorreu ele pode não ter acontecido. A referência mais objetiva é a forma como você percebe o tempo.

Fica então a dica: em qualquer atividade que exija concentração, se a percepção temporal for distorcida para mais, há uma grande chance de que você esteja próximo da meditação. E neste quesito, os surfistas, ao menos durante o tubo, parecem levar uma vantagem sobre os demais.

Lucas De Nardi

Anúncios




Relógio

14 03 2010

1

Era azul, mas um azul estranho. Quando a luz acendia o azul ficava mais feminino. Tinha números grande demais, ficou enorme no seu punho, e ainda teve que ouvir da esposa:
– E nem pense em não usar, hein!? Demorei mais de duas horas para escolher. A atendente indicou este porque é a cor do verão, e a minha mãe me disse que comprei o mais bonito da loja.
Ele a olhou com um sorriso amarelo e disse:
– Nossa, realmente foi uma ótima escolha. Nunca tinha ganhado um relógio, acho que vou demorar para pegar o hábito de usá-lo. A gente acaba esquecendo, né!?
– Ah, Celso, mas pode deixar que eu te lembro.
A partir dali, todas as manhãs ele tinha que colocar o tal acessório para ir para a firma. Sentia-se ridículo com aquela situação. Imagine um assessor de contabilidade ter que usar esta merda. Nunca vi relógio tão grande e colorido,  pensava consigo mesmo.
Todos passaram a olhá-lo com desconfiança e seu chefe chegou a insinuar que ele andava muito estranho.
– Mas, Celso, onde você tem ido à noite? Algum lugar especial para que o seu relógio brilhe bastante? Sabe, ficar usando coisa muito colorida não pega bem para tua reputação, hein!? E teu casamento, como vai?
Chegou ao ponto de a esposa acordar de manhã para conferir se ele realmente estava usando o estimado presente.  E quando, propositalmente, o esquecia na cabeceira, Ana levantava-se, mesmo podendo dormir mais uma hora, e ia até a cozinha lhe entregar o pesado adereço.
– Ò, meu amor, não vá esquecer. – E ela mesma colocava-o.
Desde que havia feito aniversário, e se viu forçado a usar o relógio, nunca mais chamava o ônibus na parada, levantar o braço tornou-se uma vergonha para ele. Chegou a perder o ônibus alguns dias, porque não havia ninguém na parada que estava esperando a mesma condução que ele. Além disso,  sempre que esfriava um pouco, colocava uma roupa de mangas compridas. Mesmo sendo raros no Rio de Janeiro dias como estes, no mínimo uma vez por semana, escondia o braço.

2

– Olha, meu amor, este presente não é para você usar toda hora, hein!? Não quero ver você saindo de casa todos os dias com esta porra no braço.
– Ah, então é um relógio! Nossa, meu bem, como você adivinhou que há horas eu quero comprar um?
– Não é difícil, toda vez que a fulana da novela aparece usando aquela merda você fica do meu lado suspirando. E abre logo esta caixa que quero saber se você vai gostar.
Ela, então, se apressou por desembrulhar a pequena caixa que estava em suas mãos. Pareceu-lhe haver muito mais papel do que realmente havia, tamanha a ansiedade da mulher.
Logo que abriu a caixa ela deslumbrou um relógio grande, de um azul, que aos seus olhos, pareceu lindo. Apertou o botão e acendeu uma luz que o deixou o anil ainda mais brilhante. Todo seu rosto sorriu. O marido sentiu-se feliz por poder proporcionar-lhe tal alegria, apesar da inúmeras prestações que assumiu por causa daquele mimo.
Ela o colocou no punho:
– Me ajuda aqui, Jorge!
Os números eram grandes e ela nem precisava aproximá-lo muito do rosto, como fazia com o anterior, para saber as horas.
– A atendente disse que esta é a cor do verão, por isso eu comprei. Ainda bem que existem estas vendedoras, eu jamais conseguiria escolher com tantos modelos, tamanhos e cores que eles oferecem nessas lojas. De qualquer forma, o Abelardo, lá da oficina, me disse que chama muito a atenção. Por isso, não quero que você use todos os dias, hein!?
– Ah, Jorge, e quem disse que o idiota do Abelardo entende alguma coisa disso? Chamar a atenção? A única coisa que chama a atenção dele é bunda e futebol. O que ele entende de relógio?
– Bom, Janete, eu estou te avisando! Não quero ver você saindo todos os dias com esta porra. Não estou pagando uma nota por isso para um trombadinha levar embora na primeira semana.
Ela resignou-se, não podia reclamar. Aquela preciosidade em seu braço brilhava demais, ofuscando qualquer reclamação ou desgosto que o marido pudesse lhe fazer naquela hora. Naquele momento, tinha a absoluta certeza de que tinha o relógio mais bonito de toda a vizinhança, e trataria de exibi-lo para que todos o vissem.
Começou a sair de casa mais cedo, só para caminhar mais devagar enquanto cruzava com conhecidos da vizinhança, os quais, ela tinha certeza, espichavam bem os olhos para ver melhor seu relógio.

3

Celso já andava cabisbaixo, tamanha a infelicidade que o presente de sua mulher lhe trouxera. Começou tirar o relógio do punho assim que entrava no ônibus. Tinha medo de ser visto por ela fazendo aquele sacrilégio enquanto esperava a condução, já que sua casa ficava quase na frente do ponto.
Certo dia, abriu-se com o amigo de escritório:
–    Márcio, você não estava procurando um presente para sua mulher?
–    Sim. Mas já encontrei, você precisa ver que maravilha, comprei um soutien e uma meia-calça de cinta-liga. Nossa, ela vai ficar demais usando aquilo. Porque você me pergunta isso?
–    Não, por nada! É que estou com um relógio para vender.
–    Ah, sério?! Não sabia que você estava vendendo estas coisas agora. Por isso que você anda usando aquele relógio todo colorido e esquisito?
–    Não!É… Na verdade, é a forma que tenho pra divulgar. Mas este azul é bonito, né!? Não quer levar pra tua esposa?
–    Olha, Celso, não estou te entendendo. Este teu relógio é feminino?
–    Não, quer dizer, mais ou menos…
–    Mais ou menos não existe. Você é homem ou você é mulher? Então, o relógio é a mesma coisa, é pra homem ou pra mulher? Não vai me dizer que você andou este tempo todo com um relógio feminino só pra divulgá-lo!?
–    Cara, não é o que você esta pensado…
–    Ah, então acho que o pessoal do almoxarifado tinha razão quando falou que você andava estranho.
–    Como assim, Márcio? O que você quer dizer com isso?
–    Ah, eles falaram que você anda desmunhecando porque o relógio está muito  pesado.
–    E você acreditou nesta merda?
–    Claro que não, Celso. Somos amigos há quantos anos. Mas já estou começando a desconfiar.
–    Do que?
–    Pô, meu irmão, estou sentindo pela tua conversa que você que me dizer alguma coisa. Como dizem por aí, quer sair do armário…
–    Cala a boca! Nunca ouvi coisa tão absurda. Vocês enlouqueceram de vez.
–    Não, eu sempre te defendi, mas sei lá. Se você quiser, pode se abrir comigo.
–    Sou espada, Márcio. Vou abrir o que pra você? Quer saber mesmo a história desta porcaria de relógio?
–    Claro, é o que mais quero saber agora. Porque se você não virou viado, e nem está vendendo esta merda, não consigo entender porque anda usando esta porcaria de boiola.
–    Cara, isto foi presente da Ana! Não sei como ela pôde comprar uma coisa tão ridícula e que nada tem a ver comigo. E o problema não é só o fato de ela ter me dado este relógio. O mais complicado é que ela controla se eu uso ou não. Ela faz questão que eu sempre esteja usando esta merda.
–    Mas porque ela faz isso?
–    E eu sei lá! Ela disse que era o mais bonito da loja, que a mãe ajudou a escolher. Se duvidar, aquela jararaca da minha sogra forçou a filha a comprar este modelo para eu parecer viado mesmo. Com pinta de gay, a bruxa vai ter certeza que as mulheres não vão me dar mole. Desgraçada, deve ser culpa dela.
–    Eu não sei não, Celso. Este mundo anda tão louco. É homem usando coisa de mulher, mulher fazendo coisa de homem. Vai ver ta na moda mesmo, mas eu continuo achando uma viadagem.
–    Porra, nem me fala. Você não sabe o constrangimento.
–    E agora, vai fazer o que? Vender? E você acha que tua patroa não vai dar falta?
–    Ah, mas daí eu digo que fui roubado. E ainda uso a grana para comprar alguma coisa mais útil. Nunca precisei de relógio, tu vê mil relógios pelas ruas, nos ônibus, nos botecos, no telefone celular. Pra que eu preciso de uma coisa dessas?
–    Isso é verdade! Relógio é coisa de magnata, amigo. Os caras não tem mais onde meter dinheiro, daí ficam andando com o dinheiro no pulso.

4

Janete resolvera visitar a mãe naquele domingo de sol. E como já era de se esperar, tratou usar seu presente para mostrar a família. Sabia que a sua irmã mais velha estaria lá, e não poderia deixar esta oportunidade passar em branco.
A mãe nem sequer olhou direito seu acessório. Só percebeu que a filha carregava algo novo no braço quando Marise, virou-se pra caçula dizendo:
– Nossa, mas que relógio é este? Pelo jeito, o Jorge anda rico… ou virou traficante.
– Que engraçadinha você é, Marise. Olha, quando a pessoa trabalha, recebe uma coisa chamada dinheiro, para usar da maneira como deseja. Você sabia disso?
Janete no suportava o fato de sua irmã ser sustentada por um homem de 67 anos que não a deixava trabalhar, mas permitia-lhe todas as regalias que ela solicitasse, desde que continuasse sendo a namoradinha do idoso.
O dia passou entre um feijão mexido, típico dos almoços de domingo em família, uma partida de futebol, que seu pai e o irmão assistiram sozinhos na sala e muita conversa. Enquanto os homens da família estavam vidrados na televisão, Jorge não fora porque tinha um encontro com os amigos do pagode, as três mulheres foram para a parte externa da casa, que apesar de pequena, trazia-lhes ótimas lembranças. Muita coisa já havia acontecido por ali.
Subitamente, um pouco antes do final do dia, uma nuvem negra apossou-se do céu, parecendo uma mancha de óleo sob o mar.
– Xi, o tempo vai fechar! – Disse Marise, levantando-se e indo pegar sua bolsa – Vou ligar para o motorista do Otávio vir me buscar agora. Você quer uma carona, Janete?
– Não precisa, querida. Pego o ônibus que passa aqui na frente, afinal um pouco de chuva não me fará tão mal.
– Bom, você que sabe. Não tem problema nenhum ele desviar um pouco o caminho para largá-la em casa.
– Agradeço, mas acho que será uma chuva rápida. Assim aproveito para ficar mais um pouco com a mamãe.
Marise discou diretamente para o motorista, que em menos de 20 minutos já estava buzinando na frente da humilde residência dos seus pais. A casa ficava numa região pouco privilegiada da cidade. Com a chuva, rapidamente formaram-se várias poças na rua de chão batido. A lama estava escorregadia, fazendo com que o funcionário de Otávio, acelera-se o mais rápido possível dali. Apesar de pobre, o motorista já havia se acostumado com a vida chique da classe alta carioca, e nutria um certo asco da população de periferia.
As previsões de Janete não estavam nada certas, a chuva caiu impiedosamente. Muita água durante muito tempo, fez com que a rua ficasse alagada. Nenhum carro conseguia transpor aquela água toda, muito menos os ônibus, que não podiam arriscar o transporte de todos seus passageiros.
A solução foi avisar Jorge que iria dormir lá:
– Meu amor, caiu a maior água por aqui, e, como sempre, o ônibus só esta passando lá por baixo. Vou dormir aqui, e amanhã vou direto para o serviço. Esquenta o almoço de ontem no forno e arruma a cama antes de sair de casa, viu!?
– Porra, Janete, eu te avisei que ia chover. Porque você não saiu daí mais cedo? Agora vai ter que pegar o ônibus amanhã de madrugada.
– Ah, Jorge, não fique assim. Para mim, não custa nada acordar um pouco mais cedo. Espero que você deixe a casa em ordem amanhã antes de sair de casa, viu? Só porque eu não estarei em casa, não quero chegar à tarde e ver tudo bagunçado.
Ela desligou o telefone um pouco irritada. Não tinha gostado da atitude do marido, querendo julgá-la por ter sido surpreendida pelo mau tempo. Como ela iria imaginar que a rua alagaria?
Saiu do quarto da mãe e foi para sala, onde desfrutou da companhia dos pais até que estes se recolheram e ela ficou na sala com o irmão assistindo o início de um filme. Na distração da película, esqueceu-se que tinha um relógio com função de despertador e questionou o caçula:
–    Que horas você vai acordar amanhã?
–    Às 6:40, como sempre.
–    Então, por favor, acorde-me também porque preciso sair mais cedo para não chegar atrasada no serviço.
–    Combinado.
De qualquer forma, ambos dormiriam no mesmo quarto. A casa só possuía dois cômodos, e ela provavelmente acordaria com o barulho do irmão arrumando-se para abrir a padaria onde trabalhava ali perto, como caixa.

5

Pela manhã, os olhos de Janete abriram-se aos poucos, com piscadas longas, como o movimento da porta do quarto do seu irmão, que entrava e saia, preparando-se para o serviço. O menino havia esquecido dela, além de ter acordado 10 minutos depois do combinado.
–    Jadson, você acordou mais cedo ou está atrasado?
–    Estou atrasado! Onde está meu tênis?
–    Porra, moleque, porque não me acordou? Que horas são?
–    Nem lembrei de ti, desliguei o relógio e acordei 10 minutos depois. Se eu não chegar na padaria em 10 minutos, perco meu emprego. Puta que pariu, cadê este tênis?
–    Tá aqui, seu idiota. Ah! E eu não tenho um emprego para manter, seu irresponsável?
O irmão nem lhe deu ouvidos, colocou o tênis, bateu a porta e sumiu. Janete, que à esta altura já estava em pé, penteou rapidamente os cabelos, escovou os dentes, colocou a roupa, agarrou a bolsa e saiu deixou a casa sem ao menos despedir-se dos pais, que ainda dormiam.
Chegou apressada na parada do ônibus, que estava vazia e cercada por poças da chuva, que havia parado no meio da madrugada. Ela estranhou o fato de estar sozinha ali, pois não era tão cedo assim. Enquanto olhava, na ponta dos pés, o início da rua, apreensiva pela chegada do ônibus, Janete avistou um homem chegando. Estranhou o fato de ele andar apressado, enquanto olhava para trás. Talvez estivesse atrasado também, mas ele não olhava para a rua, ficava olhando para dentro de uma casa, abaixou-se um pouco, mexeu no punho estranhamente. Será que é um ladrão? Acabou de roubar aquela casa? Antes de chegar na parada, ele ainda olhou algumas vezes para trás. Ao vê-lo aproximando-se, achou curioso o fato de ele usar uma camiseta de mangas compridas. Ele sorriu timidamente, meio sem graça, meio com um peso na consciência. E tratou de puxar as mangas da camiseta bem para baixo, como se estivesse com frio, apesar do clima ameno daquela manhã.
Janete ficou aflita, deu um passo para trás, enquanto o homem olhava para o outro lado. A chegada de outras pessoas a tranqüilizou. Logo já estava pensando em coisas da sua rotina diária e com raiva do irmão que a fizera sair afoita de casa.
Ao ingressar no ônibus, depois de passar a roleta estranhou o fato do homem de camiseta longa ficar lá atrás. Será que ela vai roubar o cobrador? Vou sentar-me o quanto antes para que não me veja mais. Encontrou um lugar para sentar-se ao lado do corredor. Havia um idoso na janela, que a olhou com ar de reprovação. Estes velhos querem sempre sentar sozinhos, e sentou-se mesmo assim. Ao longo do trajeto a condução foi ficando bem cheia, vários passageiros a empurravam projetando os quadris com o balançar do ônibus, entre ela e o banco da frente. No trecho em que parecia não caber mais nenhuma pessoa lá dentro, o velho resolveu levantar para descer. Ah, desgraçado, eu não vou me levantar para dar licença, ele que arrume um jeito de passar. Com muita dificuldade, depois de quase sentar no colo de Janete, o pobre senhor chegou ao corredor. Depois disso, ele ainda teria que sujeitar-se ao empurra-empurra intenso até chegar à porta de desembarque.
Quando Jante pensou em deslocar-se para a janela, pois certamente seria uma das últimas a descer, vislumbrou uma perna passando por cima de seus joelhos. A desconfortável situação a deixou imóvel, mal enxergava quem estava tentando sentar. Olhou para o outro lado, evitando constrangimento.
Assim que o homem ajeitou-se, ela fingiu olhar para a rua, e deu de cara com o homem da camiseta comprida! Deve ter feito uma cara de espanto, pois o homem apressou-se por balançar a cabeça com o mesmo sorriso, sem graça e com peso na consciência, que dera na parada. Este cara deve ter feito alguma merda. Notou que ele matinha sua mochila sobre as mãos, ao invés de colocá-la no chão. Bom, o chão está todo molhado e embarrado, mas podia botar sobre os pés. Será que carrega uma arma? Será que vai render todo mundo daqui? Ou vai me pegar de refém? Enquanto pensava tudo isso, matinha a cabeça baixa, com medo de ser surpreendida por algum questionamento. Estava agoniada, começou a pensar em tudo que tinha acontecido, arrependeu-se de ter ido visitar a família, de ter negado a carona da irmã, de ter confiado no irmão.
Subitamente, o ônibus caiu em um buraco enorme, houve um estouro forte, aquela aglomeração humana no corredor balançou sincronizadamente, como uma dança ensaiada. Porém, devido à intensidade do solavanco, algumas pessoas não sustentaram o peso da multidão, e duas delas caíram sobre o colo de Janete, que ainda mais assustada devido aos seus temores internos, soltou um grito agudo, de pavor e raiva.  Tão logo sentiu aquelas pessoas sobre ela, tratou de empurrá-las, resmungando, com força e asco. Notou que o homem ao seu lado, ajudava-a , quase que sobrepondo seu corpo sobre o dela. Quando ele deu o último empurrão em um dos passageiros, seu corpo se chocou com o de Janete Ela achou que ele estava tentando esfregar-se nela. Além de ladrão, é tarado. Que nojo! Ele ainda sorriu, como se estivesse solicitando um agradecimento pelo seu esforço, mas aqueles poucos instantes de contato com ele, apenas aumentaram sua vontade de sumir dali.
Depois disso, Janete voltou a olhar para baixo, repensar no seu dia anterior, e neste péssimo início de semana, enquanto seu parceiro de assento, parecia um pouco inquieto, demorando para se arrumar. Ela então virou-se para ele, começou a perceber que uma das suas mãos, aquela que estava mais próxima dela, quase saia debaixo da mochila. Com o chacoalhar do ônibus, ela começou a perceber algo preso ao punho do homem, mas por debaixo de sua camiseta. Aquilo a deixou intrigada, parecia-lhe azul. Quase não resistiu ao impulso e agarrou o braço dele, mas quando este tirou a mão debaixo da mochila para coçar a perna, ela confirmou, ele usava um relógio igual ao dela. Imediatamente, Janete conferiu o próprio punho e constatou que o seu relógio já não estava lá. Como eu pude ser tão estúpida! Era a mim que ele queria roubar. Me ajudou só para tirar meu relógio de mim. Como eu não percebi, como não senti que ele retirou o relógio do meu punho? Ah, meu deus! Só me faltava esta agora. Seus olhos começaram a lacrimejar, Janete estava furiosa e frustrada ao mesmo tempo. Nossa, o Jorge vai me matar! Ele vai dizer que me avisou, que eu não podia ter ido na casa de minha mãe com o relógio, que eu deveria ter ido embora antes da chuva. Ah, não, isso não vai ficar assim!
Janete começou a mexer em sua bolsa e encontrou sua escova de cabelo, teve uma idéia.
–    Tira esta merda deste relógio bem devagar! – Disse enquanto pressionava o cabo da escova, ainda dentro da bolsa, sob a barriga do homem – E não olha pra mim, seu filho da puta.
–    Calma, dona. Que isso?
–    Fala baixo! Não olha pra mim, olha pra rua. Você me ouviu, tira esta merda, bem devagar. Não quero surpresas. Senão te meto uma bala aqui mesmo, seu merda.
–    Porra, mas não é bem assim!
Nervoso, os lábios deles tremiam, ora rindo, ora cerrando-se com força. Talvez não pudesse acreditar que aquilo fosse verdade.
–    Ta rindo do que? Quer morrer? Me dá esse relógio, me dá aqui. Isso, agora você sabe o que vai fazer?
–    Tirar a aliança?
–    Que aliança, tu acha que me interessa tuas nega? Tu vai é sumir daqui. Vai descer na próxima parada… não olha pra mim, eu falei. Olha pra rua.
–    Descer? Mas, e meu serviço, dona? Calma ai, eu fico quieto.
–    Claro que você vai ficar quieto, mais quieto ainda se eu te apagar. Anda, levanta. Levanta e sai. Você vai descer na próxima parada. Não olha pra trás, não fala com ninguém. Vai, vai.
O homem moveu-se com o maior cuidado possível, sem mencionar nada, olhando para frente, com os olhos vidrados, como se estivesse sob o efeito de algum tipo de hipnose. Janete não reconhecia a si mesma, jamais imaginou ter coragem para dar uma lição num marginal como aquele. Quando o homem sumiu do seu campo de visão, e ela o viu sair pela porta do ônibus, começou a chorar e sorrir. Eu fiz a coisa certa. Graças a Deus. Suas mãos tremiam enquanto ela enxugava os olhos, sentando-se na janela antes que alguém pulasse para o assento vago.
Ao longo daquele dia, sentiu um imenso orgulho de si mesma, parecia que havia ganhado um prêmio. Ela descobrira um potencial que jamais imaginou ser seu. O que é meu, não é fácil de tirar.
Ao chegar em casa, nem se importou com a bagunça que o marido deixara por lá, apesar de lhe ter solicitado que arrumasse tudo. Arrumou tudo com muita boa vontade, e ainda preparou o jantar enquanto Jorge não chegava. Ainda não havia decidido se contava ou não a ele sobre o episódio do ônibus.
Quando ele chegou, foi surpreendido com o abraço forte, um beijo longo. Ela estava feliz.
–    E aí, Janete, como foi sua noite?
–    Ah, tudo bem! Inclusive tem uma coisa que quero lhe contar…
O telefone tocou, e Janete correu para o quarto, onde ficava o único aparelho da casa.
– Oi Janete, sou eu sua mãe!
– Oi mãe! Como vai a senhora?
– Estou bem, querida. E você?
– Tudo certo, mãe. Acabei de chegar em casa, foi um dia longo.
– Ah, que bom querida. Eu estava preocupada com você. O Jadson me contou que você saiu um pouco atrasada.
– Tudo bem, mãe. Deu tudo certo.
– É, mas não é só por isso, não. Hoje de manhã, você acredita que um moço que mora aqui perto de casa foi assaltado?
– Sério?
– Sim, minha filha, dentro do ônibus. Você acredita? Este nosso país não sei onde vai dar. Ah, já ia me esquecendo. Acho que na pressa de sair, você acabou esquecendo o seu relógio aqui, viu?!
As pernas de Janete amoleceram, um frio subiu da barriga até a garganta, ela ficou sem conseguir falar.
–    Janete? Alô? Tá ainda aí?
Disfarçou a voz, conteve-se, engoliu seco e continuou.
–    Ah… é… claro, mãe. Estava pensando no assalto. Hum… pois é, eu ia te ligar pra saber do relógio, notei que tinha esquecido. Obrigada por ligar, mãe.
–    De nada, minha filha. Boa noite.
–    Beijos, mãe. Boa noite.
Seu braço ainda demorou a colocar o telefone no gancho, enquanto pensamentos e imagens lhe vinham em milhares. Seus olhos derramavam lágrimas de vergonha e horror. Abaixou a cabeça, teve raiva de si. Olhou para o punho, o relógio de outra pessoa agora adornava seu braço. Teve uma vontade de gritar, como se estivesse em um beco sem saída. Sentiu o abraço de Jorge, que estranhara a demora, mas ouvira o princípio do choro da mulher
–    O que foi, Janete? Alguma coisa grave? Quem era?
–    Era a mãe. Assaltaram um homem perto da casa dela. Ah, Jorge, que coisa este nosso país. Não temos mais segurança, não podemos mais confiar em ninguém.
–    Só por isso você chora?
–    Só por isso nada. Roubaram-lhe um relógio, que ele deve ter dado duro para comprar. Um relógio, Jorge. Você sabe o quanto custa ter um, né?! Imagina se fosse o mesmo que o meu?
Ele ficou calado, não entendia ao certo o motivo do choro, mas Janete parecia-lhe mais enérgica do que sempre fora. Por isso, achou que seu abraço era o que melhor tinha a oferecer.

T. Conthey